Delírios, Reflexões e Ilusões Verborrágicas


Maíra recomenda
maio 27, 2008, 12:01 am
Filed under: Uncategorized
Anúncios


Admito
maio 18, 2008, 11:36 pm
Filed under: Delírios, Diário, Surtos | Tags: , , ,

Amei, admito. Amei, apaixonei-me, entreguei-me. Dei uma parte de mim sem esperar retorno – e devo admitir também que não a recebi de volta, no final das contas – para quem merecia e para quem não merecia. Já errei no meu julgamento, já fui magoada pela última pessoa que imaginava que faria isso. Desapontei muitos muitas vezes, admito. Briguei sem ter razão e menti sem necessidade. Chorei de dor, de amor, de dor de cotovelo, de mágoa. Chorei sozinha, trancada em meu quarto. Chorei no colo de quem eu confiava.

Já tive amores platônicos, admito. Quis quem não me queria, quis quem não podia querer. Beijei quem não devia e não amei quem me amava. Dei foras e levei outros. Fugi de vigilância adulta e fui a vigilância adulta de quem queria escapar. Esforcei-me por causas bobas, e deixei passar algumas causas maiores. Ouvi muitos que precisavam, mas deixei passar ocasiões em que havia grande necessidade da minha presença.

Errei, confesso. Sou cheia de troféus que não posso colocar na estante. Minha maior coleção é a de tropeços. Escondo os mais humilhantes, divido os mais cômicos, tento parecer que erro bem menos do na realidade o faço. Sou humana, merda. Não me culpe por ser quem sou.



Desabafo
maio 18, 2008, 6:28 pm
Filed under: Delírios, Diário, Surtos | Tags: , , , ,

Eu achava que amor era tua especialidade.

A verdade que demorei a descobrir é que teu negócio é o egoísmo.

A verdade que não admito é que o tempo que me iludiste (cativaste?) me parece melhor que este presente sem ti.



Jeito maranhense de ser :D
maio 8, 2008, 9:54 pm
Filed under: Uncategorized

Maranhense no São João não tem quadrilha, tem bumba-meu-boi!

Maranhense quando se espanta não fala: Nossa! Fala: Éééguuuaaas!
Maranhense não vai pro reggae, vai pra radiola!
Maranhense não fala você, fala tu!

Maranhense não faz nada rápido, faz ligeiro!
Maranhense não usa tiara, usa traca!
Maranhense não toma coca-cola, toma Guaraná Jesus!
Maranhense não chama atenção, é esparroso!

Não existe maranhense gay, existe maranhense ‘qualhira’!
Maranhense não é moleque, é ‘piqueno’!
Maranhense não tem filho, tem menino!
Maranhense não é convencido, só quer se amostrar!
Maranhense não fica com fome, fica brocado!
Maranhense não come, ranga!
Comida de maranhense não é jantar, é ‘cumê’!
Maranhense não fica com vergonha, fica encabulado!
Maranhense não vê nada estranho, vê algo ‘cabuloso’!

Maranhense não espia, ‘maroca’!
Maranhense não é chato, é ralado!

Maranhense não estraga a festa, azia!
Maranhense não é mão-de-vaca, é ‘canhenga’!
Maranhense não fica agoniado, e sim ‘arriliado’!
Maranhense não é o próximo do futebol, é o desafiado!

Maranhense não se ferra, se lascado!
Maranhense não é burro, é abestado!
Maranhense não bate, ‘dá-lhe’!
Maranhense não dá um murro, dá um ‘bog’!
Maranhense não fica intrigado, fica invocado!
Maranhense não é rápido, é ‘zilado’!
Maranhense não vai pra farra, vai pra bagaceira!

Maranhense não é danado, é saliente!
Maranhense não se apressa, cuida!
Maranhense não fala sim, fala ‘uhum’!
Maranhense não fala não, fala ‘hum hum’!
Maranhense não fala hã?! Fala ‘huuum?!’
Maranhense não imita, arremeda’
Maranhense não é feio, é uma mucura!
Maranhense não é dedo-duro, é caguêta!

Maranhense não se manca, se toca!
Maranhense não quebra nada, escangalha!
Maranhense não toma banho, banha!
Maranhense não fica satisfeito, fica ‘cheiinho’!