Delírios, Reflexões e Ilusões Verborrágicas


Fichamento – EDUCAÇÃO PARA A COMPETITIVIDADE OU PARA A CIDADANIA SOCIAL?
junho 19, 2008, 9:08 pm
Filed under: Uncategorized

 

EDUCAÇÃO PARA A COMPETITIVIDADE OU PARA A CIDADANIA SOCIAL?

Fernanda A. da Fonseca Sobral

 

# O objetivo deste artigo é discutir a abordagem contemporânea dada à educação na sociedade brasileira e como esta abordagem está relacionada a certas transformações da sociedade brasileira, nas quais se incluem o processo de globalização e a consolidação da democracia.

 

  • Durkhein: educação como processo de socialização.

  • A educação não apenas integra o indivíduo ao meio social, mas também lhe proporciona uma maior capacidade de autonomia e, por isso mesmo, de interferência no meio social.

     

  • A RELACÃO EDUCAÇÃO E SOCIEDADE ATRAVÉS DA HISTÓRIA

    1. Anos 50 – início 60 : educação como instrumento de mobilidade social

      1. A educação deveria dar “status” aos indivíduos.

      2. No período, constatava-se uma passagem de uma ordem social estamental para uma ordem competitiva.

      3. A educação tinha um papel importante no processo de legitimação pelo grau de abertura da sociedade.

    2. Durante o governo autoritário: ênfase econômica

      1. Mostrar a possibilidade de rendimentos oferecida pela educação

      2. Ideologia desenvolvimentista.

    3. Meados da década de 60 e nos anos 70: estudos econômicos sobre a educação

      1. Visão econômica (capital humano, para explicar o investimento em educação, produtividade, taxa de retorno, custos da educação e a concepção de educação enquanto mercadoria) passa à sociedade.

      2. Mundo: consolidação do sistema capitalista monopolista em contraposição ao sistema socialista.

      3. Brasil: importância da intervenção do Estado na economia, visando a superação do subdesenvolvimento.

      4. A partir de 1968, o “milagre econômico brasileiro”.

      5. Essa era então a função social da universidade: qualificar recursos humanos e produzir conhecimento científico e tecnológico, no sentido de permitir a expansão industrial brasileira.

    4. Final da década de 70: cidadania

      1. Brasil : fim do “milagre” e redemocratização;

      2. Mundo: Estado de Bem Estar Social e queda do Muro de Berlim;

      3. A educação traria para o indivíduo a sua cidadania no sentido tanto do acesso ao ensino público e gratuito como da sua participação nas diferentes esferas do poder.

    5. Década de 90: competitividade

      1. Mundo: globalização e menor intervenção do Estado na economia;

      2. Crise do welfare state;

      3. Educação, ciência e tecnologia: tripé para o desenvolvimento;

      4. O desenvolvimento é obtido através de uma maior competitividade dos indivíduos, das empresas e do país no mercado internacional, bem como através de uma maior participação social dos cidadãos.

     

  • CONCEPÇÕES DE EDUCAÇÃO NAS POLÍTICAS PARA OS ENSINOS FUNDAMENTAL E MÉDIO

    1. Educação: parte indisponível do esforço para tornar as sociedades mais igualitárias, solidárias e integradas”;

    2. Preocupação atual do governo com o ensino fundamental;

    3. É o ensino fundamental que dá a formação básica para o futuro cientista, tecnólogo, técnico ou trabalhador, pois a introdução e a absorção de novas tecnologias características do novo paradigma produtivo exigem, além da formação específica, certos conhecimentos básicos e gerais.

    4. Um dos maiores problemas do ensino médio no Brasil e que se reflete nas suas políticas é o da sua identidade: oscila entre o ensino propedêutico, cujo objetivo é preparar o aluno para o ensino superior, e a formação profissional, que tende a ser vinculada às necessidades do mercado de trabalho.

    5. A educação profissional pode se efetuar em três níveis:

      1. básico, destinado à qualificação, requalificação e reprofissionalização de trabalhadores, independente de qualidade;

      2. técnico, destinado a proporcionar habilitação profissional a alunos matriculados ou egressos do ensino médio;

      3. e tecnológico, correspondente a cursos de nível superior na área tecnológica, voltados para egressos dos ensinos médio e técnico.

    6. Pode-se perceber que a política educacional para o ensino fundamental tem sido pensada prioritariamente na sua dimensão social, enquanto o ensino médio tem sido considerado prioritariamente na sua dimensão econômica

     

  • CONCEPÇÕES DE EDUCAÇÃO NAS POLÍTICAS DO ENSINO SUPERIOR E DA PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

    1. As políticas para o ensino superior têm se orientado por alguns temas: a sua diversificação; a redefinição da sua autonomia; e a avaliação de seu desempenho.

      1. Diversificação: saída do modelo único, possibilitando que a universidade ofereça formação científica (associando ensino e pesquisa), mas que também instituições de ensino superior possam oferecer formação profissional, tecnológica e formação de professores.

      2. Definição da autonomia: intenção de diminuir os controles burocráticos e normativos, garantir liberdade de organização dos serviços e execução de tarefas, estabelecendo um controle baseado na avaliação do desempenho.

      3. As análises recentes sobre a universidade inclinam-se para contextualizá-la dentro de uma “economia do saber”;

        1. Globalização;

        2. Transdisciplinariedade;

        3. Heterogeneidade institucional;

        4. Maior responsabilidade social do conhecimento;

      4. Assim, a lógica da diversificação do ensino superior vincula-se à idéia de diversificação da pesquisa universitária, sem que isso signifique, necessariamente, uma desvalorização da universidade – pelo fato de ela estar associada a outras instituições –, nem uma redução da pesquisa acadêmica – pelo fato de ela não ser a única desenvolvida no contexto universitário.

    2. Se, por um lado, é a busca da competitividade no mundo atual que leva à maior procura do conhecimento e da educação pela sociedade, por outro, é também a democratização da sociedade que demanda uma maior responsabilidade social do conhecimento.

    3. Massificação do ensino superior -> número grande demais de pesquisadores -> universidades apenas não conseguem absorvê-los -> lugares com competência em pesquisa diversificam-se.

    4. Brasil: comunidade científica competitiva, porém sem desenvolvimento de tecnologias.

      1. Proposta de modelo misto desenvolvimento científico tecnológico – união do mercado econômico-social ao mercado acadêmico.

  • No que se refere à educação, as dimensões social e econômica não são necessariamente excludentes. A visão utilitarista não pode eliminar a visão humanista.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: