Delírios, Reflexões e Ilusões Verborrágicas


carta sem remetente
maio 22, 2009, 11:25 pm
Filed under: Uncategorized | Tags: , , , , , ,

III

Tu a beija e tu não amas, mas ela não sabe disso. Elas nunca o sabem, porque não conseguem perceber o que há por trás de teus gestos. Elas passam por tua cama e não te tocam; tuas defesas são numerosas demais. Eu, pelo menos, não lembro de nenhuma mais significativa em todos estes anos.

Eu apenas observo o ir e vir, alvo de ciúmes de quase todas. Elas almejam meu lugar na tua vida, sentem-se enciumadas e deslocadas; por isso fracassam, creio eu. Tu não facilitas: essa tua enorme dificuldade de abrir espaço e deixar alguém entrar na tua vida sempre me preocupou.

Já dormi com algumas delas, para te dizer a verdade. Já noivei uma delas. Por vezes penso que ficarei sempre com as tuas sobras – admito, és muito mais interessante e fascinante que eu. Exerce sobre aqueles ao teu redor uma atração estranha, que não sei bem identificar. É inevitável, e ainda não entendo o segredo desse teu charme do qual eu já fui vítima. Éramos crianças, lembro bem, quando te vi pela primeira vez no banquinho da escola. Foste uma criança linda, já te disse isso?

Te vejo segurar a mão dela entre as tuas sem dizer nada. Sempre me pergunto como não percebem. Sorrio para ela, embora mal saiba seu nome; sempre fui muito simpático a todas. Esta também passará. Eu, pelo menos, não lembro de nenhuma que tenha ficado em tua memória poética.

Anúncios


Pedro (4)
janeiro 15, 2008, 10:51 pm
Filed under: Contos | Tags: , , , , ,

É, Gustavo não lembrara no dia seguinte. Nem na semana seguinte, ou no semestre seguinte, e Pedro resolvera deixar aquela história para trás. Ter a amizade de Gustavo era bem melhor que arriscar e não ter nada, certo? Uma opção covarde, decerto, mas Pedro nunca dissera que era um poço de coragem.

Um problema a menos para riscar da lista… Pedro gostava quando as coisas simplificavam. A situação ficara ainda melhor quando, um mês depois do beijo, ele descobrira que Gabriela era bissexual.

– O quê? Você é bissexual?

– Aham.

– De verdade?

– Aham.

– Quando passa uma menina tu olhas os dotes traseiros e dianteiros?

– Aham.

– Tu ficas com meninas?

– Aham.

– E ficou com Gustavo?

– Aham.

– E ele sabe que tu é bi?

– Aham.

– E tu tens amigos bi e gays e coisa e tal?

– Aham.

– Nossa.

Descobriu em Gabriela uma pessoa em quem confiar, mesmo depois que ela e Gustavo se afastaram. Uma noite, depois de uma sorvetada com os amigos, contara para a garota que era gay. E a resposta que ouvira fora “legal”. Era a primeira vez que Pedro se sentia verdadeiramente acolhido. Ele não sabia, mas sua iniciação no submundo gay começava ali.

Cabelos multicoloridos, roupas que ele só vira em revistas, travestis, transexuais, calças de couro, bissexuais, homossexuais, heterossexuais, flertes descarados, casais, de tudo um pouco havia naquela salada. Fez muitas amizades naquelas primeiras semanas. Era estranhamente confortável conversar com meninos sobre meninos e meninas sobre meninas de uma maneira natural.

A mãe começou a reclamar que ele nunca parava em casa. Continuava com ótimas notas na faculdade, mas Gustavo e boa parte do grupo antigo fora um tanto que deixado de lado. Pedro sabia que Gustavo sentia sua falta, e não era sempre que conseguia conciliar saídas com os dois grupos de amigos. Mas Pedro necessitava distância para superar tudo aquilo.

[continua…]